terça-feira, 11 de julho de 2017

Têxtil. A memória do futuro

QUINTA 13 JULHO | 21H00

Têxtil: A Memória do Futuro
Indústria Têxtil e o Estado Novo

O ciclo de conversas em torno da indústria têxtil avança no tempo até ao período do Estado Novo. 
O desfasamento português em relação a uma Europa industrializada e tecnologicamente avançada aprofundou-se entre 1926 e 1974, mas há quem fale de expansão e de um período dourado para o setor. Do corporativismo e protecionismo do Estado às leis do condicionamento industrial, da exoneração de cientistas e investigadores à política de isolamento do país, pretende-se conversar sobre a influência da política e da ideologia na visão de industrialização e compreensão sobre a indissociabilidade da tecnologia em relação à ciência e à economia.

“Têxtil: A Memória do Futuro” é um ciclo de conversas integrado num projeto de doutoramento a decorrer na Universidade de Coimbra que conta com a participação de historiadores, cientistas, empresários e trabalhadores. A comunidade é desafiada a envolver-se ativamente no debate e contribuir para a construção da memória coletiva da cidade industrial e têxtil em que Guimarães se transformou. As próximas sessões realizam-se em 26 de outubro (“Século XX: entre a ciência e a globalização”) e 14 de dezembro (“Têxtil XXI: o passado tem futuro?”).

Convidados Manuel Carvalho da Silva e Esser Jorge Silva 
Moderação Paula Ramos Nogueira
Atividade gratuita, com limite de participação condicionada ao espaço existente
Maiores de 12

Toda a informação em www.casadamemoria.pt

Sem comentários:

Enviar um comentário

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.