terça-feira, 26 de outubro de 2010

Jacob de Castro Sarmento (1691? - 1762)


Informação recebida da Biblioteca Geral da Universidade de Coimbra relativa à exposição, a inaugurar a 15 de Novembro na Biblioteca Joanina, sobre membros portugueses da Sociedade Real de Londres (na figura livro recém-publicado sobre esse notável judeu português):

Jacob de Castro Sarmento (1691? - 1762)

Médico. Foi eleito membro da Royal Society em 5 de Fevereiro de 1730.

De origem judaica, nasceu em Bragança. Formou-se em Artes na Universidade de Évora e em Medicina na Universidade de Coimbra. Para fugir à Inquisição estabeleceu-se em Londres, em 1721. Tornou-se membro do Colégio Real dos Médicos de Londres e obteve o grau de Doutor pela Universidade de Aberdeen, na Escócia.

Em Londres conviveu com os médicos Sequeira Samuda e Ribeiro Sanches e relacionou-se com altos dirigentes políticos portugueses em missão diplomática na capital britânica, tais como Marco António de Azevedo Coutinho e Sebastião José de Carvalho e Melo, futuro Marquês de Pombal. Manteve sempre relações com Portugal, exercendo uma forte influência sobre a cultura e a ciência portuguesa, ao divulgar as ideias mais modernas.

Ofereceu à Universidade de Coimbra, para uso nas aulas de medicina, um microscópio datado de 1731 e construído por Edmond Culpeper (1670-1738), que pertence hoje ao Museu da Ciência da UC.

Com a sua obra Teórica verdadeira das marés… (Londres, 1737) contribuiu para a difusão da filosofia newtoniana em Portugal. Na primeira parte do seu livro Matéria médica… (Londres, 1735), tratou do estudo químico das águas, usando as técnicas então mais recentes nessa área. Realçou as qualidades terapêuticas das águas minerais e fez uma tentativa de classificação sistemática dos medicamentos de origem mineral. Na segunda parte, publicada em 1758, classificou os medicamentos de origem vegetal e animal. No Apêndice ao que se acha escrito na Matéria Médica… (Londres, 1753) analisou as águas minerais das Caldas da Rainha. Notabilizou-se também na actividade comercial, exportando para Portugal a famosa “Água de Inglaterra”, um remédio à base de quinina utilizado para tratar o paludismo. Anos antes, na sua obra Dissertatio in novam, tutam, ac utilem methodum inoculationis… variolarum… (Londres, 1722) tinha estudado e divulgado os novos métodos de inoculação da varíola. Elaborou um plano pormenorizado para a criação de um horto botânico em Coimbra (1731), com a proposta, feita à Academia Real de História, do envio de sementes do Chelsea Physic Garden para esse horto.

Colaborou nas Philosophical Transactions com um artigo original, publicado em 1731, em que relata a descrição das minas de ouro e diamantes da região do “Serro do Frio” no Brasil, com a apresentação de observações astronómicas que recebeu de Portugal, enviadas por Carbone, Sachetti Barbosa e Chevalier, e de várias comunicações recebidas de cientistas estrangeiros.

Principais obras publicadas:

- Dissertatio in novam, tutam, ac utilem methodum inoculationis, seu transplantationis variolarum, Thessaliae, Constantinopoli, et Venetiis primò inventam, nunc que hac in Civitate… cum criticis notis in varios autores de hoc morbo scribentes. Editio secunda. Londini : [s.n.], 1722. [6], 40 p.

- Siderohydrologia, ou discurso pratico das aguas mineraes espadanas, ou chalybeadas, em que se mostra sua natureza, composição... Londres : [s.n.], 1726.

- A letter from Jacob de Castro Sarmento, M. D. and F. R. S. to Cromwell Mortimer, M. D. Secr. R. S. concerning diamonds lately found in Brazil
. Philosophical Transactions. London. 37 : 421 (1731) 199-201.

- [Projecto de] Bibliotheca Botânica [e Jardim Botânico] [Visual gráfico]. E. Oakley, archit. ; B. Cole, sculp. [S.l : s.n.], 1731. 73,8x54 cm. Projecto, não executado, de Jardim Botânico e Biblioteca Botânica para a Universidade de Coimbra, dedicado a Francisco Carneiro de Figueiroa, Reitor da Universidade. Com a legenda: "... Ichonographiam hanc ad Hortum Botanicum erigendum in Scientiae Naturalis et Medicinae Facultatis augmentum...". No canto superior direito, fig. alegórica "In Horto Proficiam".

- Specimen da primeira parte da Materia-medica historico-physico-mechanica, em que se tracta dos fossiles, e de todos os metaes, saes, pedras, terras, enxofres… e se mostram as propriedades e usos humanos dos ditos corpos, d'onde se acham, de que modo se alcançam ou purificam… Londres : [s.n.], 1731.

- Materia medica physico-historico-mechanica : Reyno mineral, Parte I, a que se ajuntam, os principaes remedios do prezente estado da Materia Medica; como sangria, sanguesugas, ventosas sarjadas, emeticos, purgantes, vesicatorios, diureticos, sudoriforos, ptyalismicos, opiados, quina quina [sic], e, em especial, as minhas Agoas de Inglaterra como tambem, huma Dissertaçam latina sobre a Inoculaçam das Bexigas. Londres : [s.n.], 1735. [2], 16, liii, 538 [i.e. 529], [22]; [2], IV, 43 p.

- Theorica verdadeira das marés, conforme a philosophia do incomparavel cavalhero Isaac Newton. Londres : [s.n.], 1737. XV, [8], 136 p.

- Relação de alguns experimentos e observações feitas sobre as medicinas de mad. Stephens, para dissolver a pedra… Ajunta-se um compendio historico de todos os factos desde a origem d’este descobrimento…
Londres : [s.n.], 1742.

- Tratado das operações de cirurgia, com as figuras e descripção dos instrumentos de que n'ella se faz uso, e uma introducção sobre a natureza e methodo de tractar as feridas, abcessos e chagas composto por Mr. Sharp, traduzido em português, e seguido da Materia-cirurgica. Londres : [s.n.], 1746.

- Appendix ao que se acha escrito na Materia Medica, do Dr. J. de Castro Sarmento, sobre a natureza, contentos, effeytos, e uso pratico, em forma de bebida, e banhos, das agoas das Caldas da Rainha… A que se ajunta o novo Methodo de fazer uso da agoa do mar, na cura de muitas enfermidades chronicas, em especial nos achaques das glandulas. Londres : [s.n.], 1753. 179 p.

- Do uso, e abuso das minhas Agoas de Inglaterra, ou Directorio, e instruccam, para se saber seguramente, quando se deve, ou não, usar dellas, assim nas enfermedidades agudas como em algumas chronicas e em casos propriamente de cirurgia. Londres : em caza de Guilherme Strahan, 1756. 288 p.

- Materia medica physico-historico-mechanica : Reyno mineral, Parte I, a que se ajuntam, os principaes remedios do prezente estado da materia medica… Ediçam nova, corrigida, e repurgada, a que se accrescentam por continuaçam desta obra, para fazela completa, os reynos vegetal, e animal, Parte II. Londres : em caza de Guilherme Strahan, 1758. 14, LI, [1], 580, [22], 6 p.

6 comentários:

  1. E, para uma História do Tempo em Portugal, Jacob de Castro Sarmento faz, na sua Teórica Verdadeira das Marés... a primeira descrição em português e para Portugal do Cronómetro de Marinha que o inglês John Harrison tinha acabado de inventar - instrumento crucial para o achamento da longitude no mar e vantagem tecnológica que a Inglaterra aproveitou para a sua hegemonia marítima no século seguinte...

    ResponderEliminar
  2. Foram-se embora os melhores
    nas áreas do pensamento:
    curioso é que os piores,
    mesmo assim, tinham talento!

    JCN

    ResponderEliminar
  3. Não faltou quem cá ficasse
    contra ventos e marés,
    dando a cara, dando a face
    a milhentas contrafés!

    JCN

    ResponderEliminar
  4. Não sei quem foi mais valente,
    se quem por medo fugiu,
    se quem, ficando, sentiu
    as pressões do resistente!

    JCN

    ResponderEliminar
  5. Nada existe mais nojento
    que em sua própria nação
    ser metido na prisão
    por razões de pensamento!

    JCN

    ResponderEliminar
  6. A propósito do manuscrito "Do uso, e abuso das minhas Agoas de Inglaterra", e por parecer de algum interesse a leitura sobre a história desse antipirético manipulada pelo Dr. Jacob de Castro Sarmento, e por outros do seu tempo, daí a expressão "das minhas águas", propunha a leitura do texto de João Jardim de Vilhena, publicado na revista O Instituto, vol. 83, 1932, para nos apercebermos dos problemas que as mesmas levantaram.

    Sobre o mesma tema não seria despiciendo outra leitura, não menos curiosa, de Arlindo Correia, no subcapítulo Água de Inglaterra.

    ResponderEliminar

1) Identifique-se com o seu verdadeiro nome.
2) Seja respeitoso e cordial, ainda que crítico. Argumente e pense com profundidade e seriedade e não como quem "manda bocas".
3) São bem-vindas objecções, correcções factuais, contra-exemplos e discordâncias.